Albumina oferece força, poder e saúde circulatória

Atualmente, a albumina é um dos suplementos que mais ganha espaço no cenário fitness e de treino. Antes mesmo de ser direcionado para aplicações humanas, o seu uso na saúde animal já era amplamente difundido. Porém, há muito o que você precisa saber a respeito antes de simplesmente adicioná-la à sua suplementação – ou mesmo descartá-la. 

O que é albumina?

A albumina é uma proteína sintetizada em nosso próprio corpo. Ela auxilia na manutenção da pressão osmótica intravascular, ajuda no transporte de agentes terapêuticos para o organismo e também neutraliza uma série de toxinas.

Essa “carregadora” de substâncias do organismo é sintetizada exclusivamente no fígado e possui funções vitais. É essencial no transporte de muitos elementos que não se ligam facilmente à água e não produzem soluções. Isso garante que o nosso corpo se abasteça desses elementos.

Ela também tem um papel fundamental no processo de coagulação. A sua ausência ou falta pode levar a processos hemorrágicos graves, dificuldade de cicatrização e recuperação de lesões. No caso das mulheres, pode até mesmo causar o excesso de menstruação.

Nossa albumina “interna” é chamada de soroalbumina. Pessoas com baixa produção da proteína geralmente recebem como recomendação o consumo maior de claras de ovos, ricas nessa substância, como forma de prevenir doenças.

Para que ela serve?

Você já teve uma ideia básica do papel da albumina no corpo. Mas, por qual motivo falamos sobre ela no que se refere ao treino? Bem, se você leu os parágrafos acima, já sabe que essa proteína na dieta é fundamental para a circulação, reposição de compostos orgânicos e também na recuperação e cicatrização.

Quando colocamos isso numa rotina de treinos, esse elemento torna-se um aliado importante em determinados processos que são parte das consequências em atividades físicas, como:

  • Reparação muscular no pós-treino
  • Diminuição dos sintomas de cansaço e fadiga
  • Reposição correta de proteínas
  • Aumento da força muscular
  • Melhora na coagulação

Em outras palavras: quanto mais radical ou puxado é o seu treino, mais essencial é a presença da albumina na recuperação e manutenção do corpo para realizar essas tarefas. Ela ainda auxilia no tratamento e prevenção de diversas doenças sistêmicas e principalmente hepáticas, como é o caso da cirrose.

Qualquer pessoa pode consumir?

É claro que, como todo suplemento, ela não deve ser simplesmente inserida em sua alimentação sem um controle ou ponderação. O aumento do abastecimento da proteína tem efeitos benéficos para o seu corpo, porém, é importante conhecer o seu quadro de produção e necessidades em relação ao seu consumo.

Um médico, um endócrino ou mesmo um nutricionista podem ajudar a detectar um quadro de escassez dessa proteína. Desse modo, serão capazes de indicar o volume certo de suplementação necessária, conforme o treino que você realiza.

Por se tratar de um composto proteico, ela pode substituir algumas outras proteínas consumidas no pós-treino, como o Whey Protein. Se esse é o caso, geralmente o recomendável é utilizá-la em parceria com dextrose ou maltodextrina para acelerar sua síntese e absorção.

Qual a melhor hora de tomar?

O período geralmente indicado para ingestão da suplementação de albumina é antes de dormir. Essa proteína possui média ou lenta absorção, a depender do organismo. Por essa razão, o período de sono é o ideal para que você aproveite o máximo desse suplemento.

A consulta ao médico é necessária também porque determinadas pessoas possuem maior sensibilidade a preparados albumínicos, provocando alergias e reações que podem se manifestar em problemas circulatórios.

É possível, ainda, que você já tome outros compostos albumínicos sem ao menos saber. Alguns medicamentos indicados para hipotensão arterial, toxemia grave, edemas cerebrais e mesmo queimaduras possuem essa proteína. Para tanto, é preciso que seu médico considere o uso deles e dos suplementos, além da viabilidade de seu consumo simultâneo.

Se você gostou deste artigo e deseja saber mais sobre suplementos que podem potencializar seu treino, assine a nossa Newsletter e receba as novidades em seu e-mail.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

BERNARDI, Mauro; MAGGIOLI, Caterina; ZACCHERINI, Giacomo. Human albumin in the management of complications of liver cirrhosis. Critical Care, v. 16, n. 2, p. 211, 2012. (Artigo)

MOORE, Daniel R. et al. Ingested protein dose response of muscle and albumin protein synthesis after resistance exercise in young men. The American journal of clinical nutrition, v. 89, n. 1, p. 161-168, 2009. (Artigo)
Time formado por redatores com pós graduação e/ou doutorado nas áreas de saúde, dieta, suplementação e/ou treino, além de convidados especialistas em suas áreas.

Albumina oferece força, poder e saúde circulatória

Atualmente, a albumina é um dos suplementos que mais ganha espaço no cenário fitness e de treino. Antes mesmo de ser direcionado para aplicações humanas, o seu uso na saúde animal já era amplamente difundido. Porém, há muito o que você precisa saber a respeito antes de simplesmente adicioná-la à sua suplementação – ou mesmo descartá-la. 

O que é albumina?

A albumina é uma proteína sintetizada em nosso próprio corpo. Ela auxilia na manutenção da pressão osmótica intravascular, ajuda no transporte de agentes terapêuticos para o organismo e também neutraliza uma série de toxinas.

Essa “carregadora” de substâncias do organismo é sintetizada exclusivamente no fígado e possui funções vitais. É essencial no transporte de muitos elementos que não se ligam facilmente à água e não produzem soluções. Isso garante que o nosso corpo se abasteça desses elementos.

Ela também tem um papel fundamental no processo de coagulação. A sua ausência ou falta pode levar a processos hemorrágicos graves, dificuldade de cicatrização e recuperação de lesões. No caso das mulheres, pode até mesmo causar o excesso de menstruação.

Nossa albumina “interna” é chamada de soroalbumina. Pessoas com baixa produção da proteína geralmente recebem como recomendação o consumo maior de claras de ovos, ricas nessa substância, como forma de prevenir doenças.

Para que ela serve?

Você já teve uma ideia básica do papel da albumina no corpo. Mas, por qual motivo falamos sobre ela no que se refere ao treino? Bem, se você leu os parágrafos acima, já sabe que essa proteína na dieta é fundamental para a circulação, reposição de compostos orgânicos e também na recuperação e cicatrização.

Quando colocamos isso numa rotina de treinos, esse elemento torna-se um aliado importante em determinados processos que são parte das consequências em atividades físicas, como:

  • Reparação muscular no pós-treino
  • Diminuição dos sintomas de cansaço e fadiga
  • Reposição correta de proteínas
  • Aumento da força muscular
  • Melhora na coagulação

Em outras palavras: quanto mais radical ou puxado é o seu treino, mais essencial é a presença da albumina na recuperação e manutenção do corpo para realizar essas tarefas. Ela ainda auxilia no tratamento e prevenção de diversas doenças sistêmicas e principalmente hepáticas, como é o caso da cirrose.

Qualquer pessoa pode consumir?

É claro que, como todo suplemento, ela não deve ser simplesmente inserida em sua alimentação sem um controle ou ponderação. O aumento do abastecimento da proteína tem efeitos benéficos para o seu corpo, porém, é importante conhecer o seu quadro de produção e necessidades em relação ao seu consumo.

Um médico, um endócrino ou mesmo um nutricionista podem ajudar a detectar um quadro de escassez dessa proteína. Desse modo, serão capazes de indicar o volume certo de suplementação necessária, conforme o treino que você realiza.

Por se tratar de um composto proteico, ela pode substituir algumas outras proteínas consumidas no pós-treino, como o Whey Protein. Se esse é o caso, geralmente o recomendável é utilizá-la em parceria com dextrose ou maltodextrina para acelerar sua síntese e absorção.

Qual a melhor hora de tomar?

O período geralmente indicado para ingestão da suplementação de albumina é antes de dormir. Essa proteína possui média ou lenta absorção, a depender do organismo. Por essa razão, o período de sono é o ideal para que você aproveite o máximo desse suplemento.

A consulta ao médico é necessária também porque determinadas pessoas possuem maior sensibilidade a preparados albumínicos, provocando alergias e reações que podem se manifestar em problemas circulatórios.

É possível, ainda, que você já tome outros compostos albumínicos sem ao menos saber. Alguns medicamentos indicados para hipotensão arterial, toxemia grave, edemas cerebrais e mesmo queimaduras possuem essa proteína. Para tanto, é preciso que seu médico considere o uso deles e dos suplementos, além da viabilidade de seu consumo simultâneo.

Se você gostou deste artigo e deseja saber mais sobre suplementos que podem potencializar seu treino, assine a nossa Newsletter e receba as novidades em seu e-mail.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

BERNARDI, Mauro; MAGGIOLI, Caterina; ZACCHERINI, Giacomo. Human albumin in the management of complications of liver cirrhosis. Critical Care, v. 16, n. 2, p. 211, 2012. (Artigo)

MOORE, Daniel R. et al. Ingested protein dose response of muscle and albumin protein synthesis after resistance exercise in young men. The American journal of clinical nutrition, v. 89, n. 1, p. 161-168, 2009. (Artigo)

Assine a Revista Labdoor

Scroll to top