Volta às aulas pode desencadear sintomas do estresse

A volta às aulas é um fator a mais que envolve os estudantes no início de ano, sejam eles do ensino fundamental, médio, superior ou pós-graduação. Apesar do sentimento renovador que essa época proporciona, esse tempo de recomeçar pode trazer uma sensação desgastante para muitos desses estudantes, causada pelo estresse. Conheça as causas do estresse e como você pode amenizá-lo.

O estresse provocado na volta às aulas

No período de volta às aulas, é comum que os estudantes se encontrem em uma situação conhecida como estresse, que corresponde a “mecanismos específicos do corpo para sua autorrecuperação, quando exposto a diferentes patogenias” (SELYE, 1936).

Isso corresponde aos mecanismos fisiológicos, aos quais estamos submetidos quando nos deparamos com uma mudança que, nesse caso, consiste na quebra de rotina.

Por que isso ocorre?

É entendido que a adaptação do nosso corpo às situações ocorre de forma lenta e gradual. No caso das férias, nas quais permanecemos de 2 a 3 meses, acabamos nos acostumando com a rotina tranquila, de forma que sentimos a mudança no momento de retorno.

Esse início, ou recomeço, é marcado por ansiedades e expectativas, que podem se manifestar pela perspectiva de conhecer novos colegas de classe, mudança de professores, nova grade curricular, novos horários, além de outras mudanças diversas.

Consequências do estresse

Apesar de a classe estudantil não ser considerada como trabalhadora, ela também está exposta a diversos fatores semelhantes a uma rotina de trabalho, como: disciplina, obrigatoriedade, pressão e prazos. Tais fatores são intensificados no início e ao final de cada semestre, com maior evidência na volta às aulas.

Toda a questão de responsabilidade, vinculada à pressão social, pode levar ao desenvolvimento da chamada Síndrome de Burnout (SB). A síndrome que ocorre após uma crônica exposição a fatores estressantes, de modo que a pessoa não consegue reagir a tal situação.

Como consequência, apresenta alguns sintomas que podem estar relacionados à quebra de bem estar do indivíduo:

  •  Exaustão emocional: a partir do momento em que nos sentimos incapazes, não conseguimos realizar as atividades de forma coerente.
  • Despersonalização: decorrente do sentimento de incapacidade, estudantes podem ter a sensação de “perda da identidade” quando não conseguem cumprir devidamente suas tarefas. Isso é muito comum na volta às aulas, quando uma sobrecarga é imposta a quem ficou 3 meses afastado de suas tarefas.
  • Baixa realização: ocorre devido ao excesso de competição entre os estudantes, além do fato de não atingirem suas próprias expectativas. Pode aumentar quando uma pressão muito grande é imposta pela família.
  • Descrença: decorrente da baixa realização e falta de reconhecimento em seus afazeres. Provoca uma situação em que o indivíduo acredita não ser capaz de realizar seus deveres.

Estudos revelam que os estudantes da área da saúde são os mais suscetíveis aos fatores estressantes, devido ao contato direto com pacientes e à cobrança social.

Como amenizar o estresse causado pela volta às responsabilidades?

É possível amenizar toda a tensão provocada pela volta às aulas, através de algumas medidas simples e  técnicas de como se desestressar. Um exemplo que pode ser usado nesse caso é a técnica de meditação mindfulness.

Essas técnicas estão relacionadas à atividades físicas e dormir bem para um descanso adequado. Além disso, é muito importante ter uma boa alimentação e bons hábitos de vida, entre outros fatores.

Para conhecer outras formas de se livrar do estresse do dia a dia, basta assinar a nossa Newsletter gratuitamente!

BIBLIOGRAFIA:

BAPTISTA, Makilim Nunes; RUEDA, Fabián Javier Marín; SISTO, Fermino Fernandes. Relação entre estresse laboral e atenção concentrada. Encontro: Revista de Psicologia, v. 11, n. 16, p. 75-90, 2015. (Artigo)

VIANA, Gustavo Magalhães et al. RELAÇÃO ENTRE SÍNDROME DE BURNOUT, ANSIEDADE E QUALIDADE DE VIDA ENTRE ESTUDANTES DE CIÊNCIAS DA SAÚDE doi: http://dx. doi. org/10.5892/ruvrd. v12i1. 1471. Revista da Universidade Vale do Rio Verde, v. 12, n. 1, p. 876-885, 2014. (Artigo)
Time formado por redatores com pós graduação e/ou doutorado nas áreas de saúde, dieta, suplementação e/ou treino, além de convidados especialistas em suas áreas.

Volta às aulas pode desencadear sintomas do estresse

A volta às aulas é um fator a mais que envolve os estudantes no início de ano, sejam eles do ensino fundamental, médio, superior ou pós-graduação. Apesar do sentimento renovador que essa época proporciona, esse tempo de recomeçar pode trazer uma sensação desgastante para muitos desses estudantes, causada pelo estresse. Conheça as causas do estresse e como você pode amenizá-lo.

O estresse provocado na volta às aulas

No período de volta às aulas, é comum que os estudantes se encontrem em uma situação conhecida como estresse, que corresponde a “mecanismos específicos do corpo para sua autorrecuperação, quando exposto a diferentes patogenias” (SELYE, 1936).

Isso corresponde aos mecanismos fisiológicos, aos quais estamos submetidos quando nos deparamos com uma mudança que, nesse caso, consiste na quebra de rotina.

Por que isso ocorre?

É entendido que a adaptação do nosso corpo às situações ocorre de forma lenta e gradual. No caso das férias, nas quais permanecemos de 2 a 3 meses, acabamos nos acostumando com a rotina tranquila, de forma que sentimos a mudança no momento de retorno.

Esse início, ou recomeço, é marcado por ansiedades e expectativas, que podem se manifestar pela perspectiva de conhecer novos colegas de classe, mudança de professores, nova grade curricular, novos horários, além de outras mudanças diversas.

Consequências do estresse

Apesar de a classe estudantil não ser considerada como trabalhadora, ela também está exposta a diversos fatores semelhantes a uma rotina de trabalho, como: disciplina, obrigatoriedade, pressão e prazos. Tais fatores são intensificados no início e ao final de cada semestre, com maior evidência na volta às aulas.

Toda a questão de responsabilidade, vinculada à pressão social, pode levar ao desenvolvimento da chamada Síndrome de Burnout (SB). A síndrome que ocorre após uma crônica exposição a fatores estressantes, de modo que a pessoa não consegue reagir a tal situação.

Como consequência, apresenta alguns sintomas que podem estar relacionados à quebra de bem estar do indivíduo:

  •  Exaustão emocional: a partir do momento em que nos sentimos incapazes, não conseguimos realizar as atividades de forma coerente.
  • Despersonalização: decorrente do sentimento de incapacidade, estudantes podem ter a sensação de “perda da identidade” quando não conseguem cumprir devidamente suas tarefas. Isso é muito comum na volta às aulas, quando uma sobrecarga é imposta a quem ficou 3 meses afastado de suas tarefas.
  • Baixa realização: ocorre devido ao excesso de competição entre os estudantes, além do fato de não atingirem suas próprias expectativas. Pode aumentar quando uma pressão muito grande é imposta pela família.
  • Descrença: decorrente da baixa realização e falta de reconhecimento em seus afazeres. Provoca uma situação em que o indivíduo acredita não ser capaz de realizar seus deveres.

Estudos revelam que os estudantes da área da saúde são os mais suscetíveis aos fatores estressantes, devido ao contato direto com pacientes e à cobrança social.

Como amenizar o estresse causado pela volta às responsabilidades?

É possível amenizar toda a tensão provocada pela volta às aulas, através de algumas medidas simples e  técnicas de como se desestressar. Um exemplo que pode ser usado nesse caso é a técnica de meditação mindfulness.

Essas técnicas estão relacionadas à atividades físicas e dormir bem para um descanso adequado. Além disso, é muito importante ter uma boa alimentação e bons hábitos de vida, entre outros fatores.

Para conhecer outras formas de se livrar do estresse do dia a dia, basta assinar a nossa Newsletter gratuitamente!

BIBLIOGRAFIA:

BAPTISTA, Makilim Nunes; RUEDA, Fabián Javier Marín; SISTO, Fermino Fernandes. Relação entre estresse laboral e atenção concentrada. Encontro: Revista de Psicologia, v. 11, n. 16, p. 75-90, 2015. (Artigo)

VIANA, Gustavo Magalhães et al. RELAÇÃO ENTRE SÍNDROME DE BURNOUT, ANSIEDADE E QUALIDADE DE VIDA ENTRE ESTUDANTES DE CIÊNCIAS DA SAÚDE doi: http://dx. doi. org/10.5892/ruvrd. v12i1. 1471. Revista da Universidade Vale do Rio Verde, v. 12, n. 1, p. 876-885, 2014. (Artigo)

Assine a Revista Labdoor

Scroll to top