Conheça 4 suplementos que podem auxiliar na prevenção do câncer de pele

A nutrição é uma importante aliada na prevenção de muitas doenças, e o câncer de pele não é uma exceção. Pesquisas apontam que algumas substâncias são bastante efetivas contra a doença. Mas é preciso consumi-las via suplementação, uma vez que mesmo uma dieta bem equilibrada não fornece as quantidades necessárias para a redução das taxas de câncer de pele. 

Veja abaixo as substâncias que vêm apresentando bons resultados nos estudos:

Vitamina A

Suplementar a sua dieta com vitamina A1 (retinol) pode reduzir o risco de câncer de pele. Especialmente se você já for adepto do protetor solar. O consumo de retinol em altas dosagens (>1800 mcg/dia) demonstrou em alguns estudos reduzir as taxas de melanoma. Mas saiba que beta-caroteno, a forma vegetal de vitamina A, não possui as mesmas propriedades.

No entanto, não exagere. Retinol pode ser tóxico e até fatal se consumido em excesso, além de potencialmente causar fraqueza óssea. Mulheres grávidas não devem tomar altas doses de retinol. A dosagem diária recomendada a adultos pelo NIH (National Institute of Health) é de 700 a 900 mcg/dia. Mais estudos estão em curso avaliando a ação do retinol na prevenção do câncer de pele. Enquanto resultados não saem, evite ultrapassar as quantidades diárias recomendadas.

LEIA MAIS: Vitamina A: tudo o que você precisa saber sobre ela

Vitamina B3

O complexo B é composto por 8 vitaminas diferentes com diferentes funções no corpo. Deste grupo, apenas a Vitamin B3 tem demonstrado diminuir as taxas de câncer de pele. Em um estudo com 385 pacientes de alto risco e histórico de câncer de pele do tipo não-melanoma, altas doses de B3 demonstraram diminuir a incidência da doença em 20%.

Mais uma vez, procure respeitar a dose recomendada de 14 a 18 mg por dia. Vitamina B3 pode causar dores de cabeça, tontura e risco de danos ao fígado.

Vitamina D

Os benefícios da Vitamina D em relação ao câncer de cólon e mama já foram amplamente estudados e divulgados. No entanto os resultados das pesquisas que relacionam a vitamina D à prevenção de câncer de pele ainda são contraditórios.

Enquanto mais estudos são conduzidos para averiguar a eficácia da Vitamina D na prevenção do câncer de pele, pesquisas já comprovaram que ela pode atrasar a evolução da doença e aumentar as taxas de sobrevivência dos pacientes que tratam o melanoma. No entanto, é importante deixar claro que a Vitamina D pode servir apenas como tratamento auxiliar, juntamente ao tratamento padrão receitado pelo médico.

A dosagem diária recomendada de vitamina D é de 600 IU.

NÓS TESTAMOS EM LABORATÓRIO 19 MARCAS DE VITAMINA D. VEJA O RESULTADO AQUI.

Extrato de Semente de Uva

As pesquisas sobre o extrato de semente de uva ainda são limitadas, mas estudos com animais e estudos preliminares com humanos sugerem que a substância possui grande potencial.

Não existe uma recomendação de dose diária de extrato de semente de uva. Mas em geral ela fica entre 50 e 300 mg por dia.

Outros suplementos que não apresentam evidência de atuação benéfica contra o câncer de pele:

  • Vitamina C: resultados conflitantes
  • Vitamina E: evidências insuficientes
  • Selênio: evidências insuficientes
  • Multivitamínicos: evidências insuficientes
  • Antioxidantes: resultados conflitantes

Antes de tomar suplementos, consulte seu médico

Este artigo é um resumo das pesquisas mais relevantes que tratam de câncer de pele e suplementos, mas antes de começar a tomar qualquer suplemento converse com o seu médico. Além disso, lembre-se: o uso de nenhum suplemento substitui a utilização de protetor solar.

Veja nossos rankings de suplementos testados em laboratório para escolher os mais seguros e eficientes.

Referências

  1. Asgari MM, et al. (2011). Supplement use and risk of cutaneous squamous cell carcinoma. J Am Acad Dermatol. 65(6):1145-51.
  2. Caini S, et al. (2014). Vitamin D and melanoma and non-melanoma skin cancer risk and prognosis: a comprehensive review and meta-analysis. Eur J Cancer. 50(15):2649-58.
  3. Cancer Research UK. (2015). How the Sun and UV Cause Cancer.
  4. Chen AC, et al. (2015). A Phase 3 Randomized Trial of Nicotinamide for Skin-Cancer Chemoprevention. N Engl J Med. 373(17):1618-26.
  5. Gandini S, et al. (2011). Meta-analysis of observational studies of serum 25-hydroxyvitamin D levels and colorectal, breast and prostate cancer and colorectal adenoma. Int J Cancer. 128(6):1414-24.
  6. Gaziano JM, et al. (2012). Multivitamins in the prevention of cancer in men: the Physicians’ Health Study II randomized controlled trial. JAMA. 308(18):1871-80.
  7. Katiyar SK. (2008). Grape seed proanthocyanidines and skin cancer prevention: Inhibition of oxidative stress and protection of immune system. Mol Nutr Food Res. 52(Suppl 1):S71-S76.
  8. Ma Y, et al. (2011). Association between vitamin D and risk of colorectal cancer: a systematic review of prospective studies. 29(28):3775-82.
  9. Malavolti M. (2013). Association between dietary vitamin C and risk of cutaneous melanoma in a population of Northern Italy. Int J Vitam Nutr Res. 83(5):291-8.
  10. Marianne B & Eszter OE. (2012). Vitamin D and melanoma incidence and mortality. Pigment Cell Melanoma Res. 26(1):9-15.
  11. Mayo Clinic. (2013). Niacin (vitamin B3, nicotinic acid), Niacinamide. Drugs and Supplements.
  12. Miura K & Green AC. (2015). Dietary Antioxidants and Melanoma: Evidence from Cohort and Intervention Studies. Nutr Cancer. 67(6):867-76.
  13. NIH. (2011). Vitamin C Fact Sheet for Consumers.
  14. NIH. (2016). Vitamin A Fact Sheet for Health Professionals.
  15. NIH. (2016). Vitamin D Fact Sheet for Consumers.
  16. University of Maryland Medical Center. (2015). Grape Seed. Complementary and Alternative Medicine Guide.
  17. Wu AM, et al. (2014). The relationship between vitamin A and risk of fracture: meta-analysis of prospective studies. J Bone Miner Res. 29(9):2032-9.
Writing Labdoor

Time formado por redatores com pós graduação e/ou doutorado nas áreas de saúde, dieta, suplementação e/ou treino, além de convidados especialistas em suas áreas.

Conheça 4 suplementos que podem auxiliar na prevenção do câncer de pele

A nutrição é uma importante aliada na prevenção de muitas doenças, e o câncer de pele não é uma exceção. Pesquisas apontam que algumas substâncias são bastante efetivas contra a doença. Mas é preciso consumi-las via suplementação, uma vez que mesmo uma dieta bem equilibrada não fornece as quantidades necessárias para a redução das taxas de câncer de pele. 

Veja abaixo as substâncias que vêm apresentando bons resultados nos estudos:

Vitamina A

Suplementar a sua dieta com vitamina A1 (retinol) pode reduzir o risco de câncer de pele. Especialmente se você já for adepto do protetor solar. O consumo de retinol em altas dosagens (>1800 mcg/dia) demonstrou em alguns estudos reduzir as taxas de melanoma. Mas saiba que beta-caroteno, a forma vegetal de vitamina A, não possui as mesmas propriedades.

No entanto, não exagere. Retinol pode ser tóxico e até fatal se consumido em excesso, além de potencialmente causar fraqueza óssea. Mulheres grávidas não devem tomar altas doses de retinol. A dosagem diária recomendada a adultos pelo NIH (National Institute of Health) é de 700 a 900 mcg/dia. Mais estudos estão em curso avaliando a ação do retinol na prevenção do câncer de pele. Enquanto resultados não saem, evite ultrapassar as quantidades diárias recomendadas.

LEIA MAIS: Vitamina A: tudo o que você precisa saber sobre ela

Vitamina B3

O complexo B é composto por 8 vitaminas diferentes com diferentes funções no corpo. Deste grupo, apenas a Vitamin B3 tem demonstrado diminuir as taxas de câncer de pele. Em um estudo com 385 pacientes de alto risco e histórico de câncer de pele do tipo não-melanoma, altas doses de B3 demonstraram diminuir a incidência da doença em 20%.

Mais uma vez, procure respeitar a dose recomendada de 14 a 18 mg por dia. Vitamina B3 pode causar dores de cabeça, tontura e risco de danos ao fígado.

Vitamina D

Os benefícios da Vitamina D em relação ao câncer de cólon e mama já foram amplamente estudados e divulgados. No entanto os resultados das pesquisas que relacionam a vitamina D à prevenção de câncer de pele ainda são contraditórios.

Enquanto mais estudos são conduzidos para averiguar a eficácia da Vitamina D na prevenção do câncer de pele, pesquisas já comprovaram que ela pode atrasar a evolução da doença e aumentar as taxas de sobrevivência dos pacientes que tratam o melanoma. No entanto, é importante deixar claro que a Vitamina D pode servir apenas como tratamento auxiliar, juntamente ao tratamento padrão receitado pelo médico.

A dosagem diária recomendada de vitamina D é de 600 IU.

NÓS TESTAMOS EM LABORATÓRIO 19 MARCAS DE VITAMINA D. VEJA O RESULTADO AQUI.

Extrato de Semente de Uva

As pesquisas sobre o extrato de semente de uva ainda são limitadas, mas estudos com animais e estudos preliminares com humanos sugerem que a substância possui grande potencial.

Não existe uma recomendação de dose diária de extrato de semente de uva. Mas em geral ela fica entre 50 e 300 mg por dia.

Outros suplementos que não apresentam evidência de atuação benéfica contra o câncer de pele:

  • Vitamina C: resultados conflitantes
  • Vitamina E: evidências insuficientes
  • Selênio: evidências insuficientes
  • Multivitamínicos: evidências insuficientes
  • Antioxidantes: resultados conflitantes

Antes de tomar suplementos, consulte seu médico

Este artigo é um resumo das pesquisas mais relevantes que tratam de câncer de pele e suplementos, mas antes de começar a tomar qualquer suplemento converse com o seu médico. Além disso, lembre-se: o uso de nenhum suplemento substitui a utilização de protetor solar.

Veja nossos rankings de suplementos testados em laboratório para escolher os mais seguros e eficientes.

Referências

  1. Asgari MM, et al. (2011). Supplement use and risk of cutaneous squamous cell carcinoma. J Am Acad Dermatol. 65(6):1145-51.
  2. Caini S, et al. (2014). Vitamin D and melanoma and non-melanoma skin cancer risk and prognosis: a comprehensive review and meta-analysis. Eur J Cancer. 50(15):2649-58.
  3. Cancer Research UK. (2015). How the Sun and UV Cause Cancer.
  4. Chen AC, et al. (2015). A Phase 3 Randomized Trial of Nicotinamide for Skin-Cancer Chemoprevention. N Engl J Med. 373(17):1618-26.
  5. Gandini S, et al. (2011). Meta-analysis of observational studies of serum 25-hydroxyvitamin D levels and colorectal, breast and prostate cancer and colorectal adenoma. Int J Cancer. 128(6):1414-24.
  6. Gaziano JM, et al. (2012). Multivitamins in the prevention of cancer in men: the Physicians’ Health Study II randomized controlled trial. JAMA. 308(18):1871-80.
  7. Katiyar SK. (2008). Grape seed proanthocyanidines and skin cancer prevention: Inhibition of oxidative stress and protection of immune system. Mol Nutr Food Res. 52(Suppl 1):S71-S76.
  8. Ma Y, et al. (2011). Association between vitamin D and risk of colorectal cancer: a systematic review of prospective studies. 29(28):3775-82.
  9. Malavolti M. (2013). Association between dietary vitamin C and risk of cutaneous melanoma in a population of Northern Italy. Int J Vitam Nutr Res. 83(5):291-8.
  10. Marianne B & Eszter OE. (2012). Vitamin D and melanoma incidence and mortality. Pigment Cell Melanoma Res. 26(1):9-15.
  11. Mayo Clinic. (2013). Niacin (vitamin B3, nicotinic acid), Niacinamide. Drugs and Supplements.
  12. Miura K & Green AC. (2015). Dietary Antioxidants and Melanoma: Evidence from Cohort and Intervention Studies. Nutr Cancer. 67(6):867-76.
  13. NIH. (2011). Vitamin C Fact Sheet for Consumers.
  14. NIH. (2016). Vitamin A Fact Sheet for Health Professionals.
  15. NIH. (2016). Vitamin D Fact Sheet for Consumers.
  16. University of Maryland Medical Center. (2015). Grape Seed. Complementary and Alternative Medicine Guide.
  17. Wu AM, et al. (2014). The relationship between vitamin A and risk of fracture: meta-analysis of prospective studies. J Bone Miner Res. 29(9):2032-9.

Assine a Revista Labdoor

Scroll to top