Felicidade é essencial para manter o corpo saudável

A felicidade é algo constantemente buscado por todos nós. Além de estar profundamente relacionada ao nosso bem estar psíquico, é também um fator fundamental para a saúde do corpo. Veja o que podemos fazer para levar uma vida mais feliz, com menos estresse e menos riscos para a saúde do corpo.

O que pode contribuir para a saúde e a felicidade?

Manter uma alimentação saudável, acompanhada de uma rotina de exercícios, são fatores essenciais para manter o coração saudável. Boa parte das principais causas de doenças cardíacas, como a hipertensão, colesterol alto, diabetes, obesidade e inatividade física, podem ser prevenidas através da boa alimentaçãoprática de exercícios.

A American Heart Association (organização americana sem fins lucrativos que presta cuidados cardíacos) oferece um guia com foco na dieta saudável para o coração. O guia recomenda pelo menos 2 horas e meia de atividade física moderada por semana.

Além de prevenir doenças cardíacas, as pesquisas mostraram que consumir determinados alimentos, acompanhados por exercícios regulares, resulta em mais felicidade para as pessoas.

A relação entre a alimentação e o humor

Um estudo realizado com mais de 12.000 pessoas revelou que, aquelas que consumiram uma quantidade maior de alimentos processados (​​como batatas fritas, frango frito, biscoitos e bolos), apresentaram 37% a mais de chance de se tornarem depressivas do que as que evitaram alimentos calóricos e de baixa qualidade nutritiva.

As dietas mediterrâneas, baseadas no consumo de alimentos frescos, mostraram uma diminuição na taxa de declínio neuropsicológico em pessoas de idade mais avançada. Além disso, a prática de exercícios pode potencializar ainda mais os benefícios cognitivos e relativos ao humor.

A curto prazo, uma boa série de exercícios  pode melhorar o humor por cerca de 4 horas, trazendo a sensação de felicidade. Por outro lado, exercícios regulares a longo prazo tem o potencial de melhorar o humor e também a autoestima.

Além disso, auxilia no retardamento da progressão de doenças cerebrais, como o Alzheimer, Parkinson, Huntington, Depressão e TDAH, pois promovem a criação de neurônios.

LEIA TAMBÉM: Estudos comprovam: Ter um cão faz bem à saúde

Bons relacionamentos ajudam na saúde do coração

Relacionamentos com base no apoio emocional, caracterizadas pelo cuidado, afinidade e compreensão, podem trazer felicidade e ajudar a manter o coração saudável. Isso porque o grau em que você se sente amado em seus relacionamentos diminui o risco de desenvolver aterosclerose (endurecimento das artérias), desacelerando a velocidade em que ela avança.

A pesquisa também mostrou que as relações negativas próximas aumentam o risco de desenvolver uma doença arterial coronariana, mais do que as positivas podem proteger contra essa doença.

As interações negativas apresentam altos riscos para a depressão, a baixa autoestima e a raiva, que conduzem ao aumento do estresse e respostas inflamatórias, que danificam os órgãos.

LEIA TAMBÉM: Como se desestressar: 18 dicas para uma vida mais saudável

Como se relacionar de maneira saudável?

É importante que você se sinta valorizado, buscando relacionamentos de apoio que tragam o sentimento de felicidade. Os relacionamentos negativos devem ser avaliados, mesmo que isso signifique repará-los, distanciar-se ou pedir ajuda externa. É preciso também reconhecer que os relacionamentos são uma via de mão dupla.

Um estudo com pessoas acima de 70 anos de idade mostrou que atividades simples, como ajudar em pequenas tarefas para sentir-se útil, ajudam na longevidade e estimulam a felicidade.

Cuidado com o estresse no ambiente de trabalho

Felicidade no ambiente de trabalho

A falta de qualidade de vida no trabalho pode trazer muito estresse e prejudicar ao coração. É provável que talvez você tenha poucas perspectivas no trabalho ou falte o apoio dos colegas. Ou então você talvez receba um salário injusto e sinta falta de ser reconhecido.

Todos esses motivos afetam sua felicidade e estão associados a fatores de risco para o surgimento de doenças do coração, como o aumento dos níveis de colesterol LDL e hipertensão.

Um estudo realizado em mais de 10.000 pessoas mostrou que um esforço insensato de longa duração (5 anos) em busca de recompensa no trabalho, dobrou o risco de desenvolver  uma doença cardíaca.

Como evitar o estresse no trabalho?

Entre as mudanças eficazes para ajudar o seu coração, está abrir mão de se envolver no trabalho de forma excessiva. Além dessa atitude prejudicar sua felicidade, pode estar apenas  revelando uma grande necessidade de controle da sua parte.

Talvez você tenha dúvidas de como se desestressar. Você poderá, por exemplo, realizar o relaxamento muscular progressivo de forma regular, ouvir sua música favorita e monitorar as emoções que possam ser nocivas.

Ao invés de se afogar no estresse, essa energia pode ser usada para lembrar a si mesmo que você sempre pode mudar a sua perspectiva e passar a sentir mais felicidade.

Você pode também incentivar conversas com seus colegas sobre mudanças estruturais em sua empresa. Há ainda a possibilidade de se aprimorar em outras habilidades que possam te levar a um trabalho mais gratificante. Lidar com táticas de resolução de problemas protegerá o seu coração dos danos do estresse.

Sintonize seus sentimentos

Pesquisas mostram que ajustar as emoções de forma autoconsciente e se manter otimista, constituem em chaves para a felicidade e para um coração saudável.

É provável que você já sentiu seu pulso acelerar num momento em que se encontrava na defensiva, com medo ou com raiva. Isso ocorre porque a hostilidade, ansiedade e raiva são emoções altamente opressivas, que aumentam a resposta ao estresse do corpo.

Como resultado, o corpo pode perder o controle na frequência cardíaca e iniciar processos que criam coágulos de sangue, elevando à pressão arterial. Isso contribui para um aumento do risco de um ataque cardíaco.

A boa notícia é que o apoio social mostra-se eficaz para diminuir os riscos de desenvolver essas doenças, mesmo para o tipo A (‘hostil’) e Tipo D (‘aflito’), pessoas que tendem a reagir com respostas opressivas.

Outra emoção negativa, a depressão, também atua como um forte fator de risco para doenças cardíacas, mas também pode ser transformada com o envolvimento social.

Proteja-se de situações estressantes

Antes de enfrentar situações estressantes, é fundamental que você tenha meios programados para se proteger. Buscar aconselhamento ou outros relacionamentos, além de realizar atividades edificantes que estimulem o sentimento de felicidade, ajudam a eliminar respostas emocionais não-saudáveis.

Além disso, você deve incentivar a resolução de problemas de forma prática, o que impulsionará de maneira saudável o seu otimismo.

Pesquisas têm relacionado os altos níveis de otimismo com níveis mais baixos de pressão arterial e níveis mais elevados de circulação das células imunes. Essas células ajudam o corpo a se defender contra o estresse.

A tendência ao perdão também é um fator que afeta positivamente a saúde fisiológica. Lidar com os sentimentos é um dos recursos usados pela American Heart Association para prevenir riscos à saúde em pacientes cardíacos.

Crie metas de vida significativas

A busca da felicidade com meditação

Diminuir o excesso de compromissos no trabalho pode proteger a saúde do seu coração. As metas de sucesso focadas em fatores externos (como comprar coisas, impressionar ou controlar pessoas, ter sucesso no trabalho), se relacionam negativamente com a satisfação e a sensação de felicidade.

Como resultado da pesquisa, focar em objetivos materiais traz uma série de fatores de risco de doenças cardíacas, como a depressão, ansiedade, baixo nível de contentamento com a vida, sono interrompido e distúrbios emocionais.

Em contrapartida, a saúde está mais presente em pessoas com objetivos focados em fatores internos, como relações interpessoais profundas, construídas com base na confiança e afeto. A generosidade também se mostrou um fator muito positivo, como doar-se aos outros e se importar com as gerações futuras.

Essas atividades, em conjunto com a oração, meditação (como a meditação mindfulness) e leitura de textos espirituais, têm se mostrado como fatores que auxiliam na manutenção da saúde. Isso ocorre especialmente quando os indivíduos se sentem úteis e são capazes de se ajustar às mudanças e à adversidade.

A felicidade está relaciona à sua atitude

Estudos sobre o sistema cardiovascular revelaram que as pessoas que praticam a autorreflexão e que possuem objetivos de vida intrínsecos apresentam menor risco de desenvolver doenças cardíacas.

Os benefícios potenciais para a saúde embasada numa vida com bons relacionamentos e a prática da generosidade são muitos. A lista inclui fumar menos, pressão arterial e colesterol mais baixo, mais atividade física, menos abuso de álcool, melhor alimentação, menor estresse, maior apoio social, menos hostilidade e ansiedade, mais otimismo e esperança, além de maior bem-estar geral, que proporciona a sensação de felicidade.

Para receber artigos semelhantes a esse sobre a relação da felicidade e a saúde, além de outros temas, cadastre o seu e-mail de graça em nossa Newsletter!

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

AMERICAN HEART ASOCIATION . Coping whut Feelings. Disponível em: <http://www.heart.org/HEARTORG/Conditions/More/CardiacRehab/Coping-with-Feelings_UCM_307092_Article.jsp%20-%20.VrUmL5MrLVp> Acesso em 19 de jan. 2017.

AMERICAN HEART ASOCIATION. The American Heart Association’s Diet and Lifestyle Recommendations. Disponível em: <http://www.heart.org/HEARTORG/HealthyLiving/HealthyEating/Nutrition/The-American-Heart-Associations-Diet-and-Lifestyle-Recommendations_UCM_305855_Article.jsp#.WIEHQ9IrLcs> Acesso em 19 de jan. 2017.

ANO, Gene G.; VASCONCELLES, Erin B. Religious coping and psychological adjustment to stress: A meta‐analysis. Journal of clinical psychology, v. 61, n. 4, p. 461-480, 2005.

BENNETT, Kellie S.; SHEPHERD, Julie M. Depression in Australian women: The varied roles of spirituality and social support. Journal of health psychology, v. 18, n. 3, p. 429-438, 2013.

BOSMA, Hans et al. Two alternative job stress models and the risk of coronary heart disease. American journal of public health, v. 88, n. 1, p. 68-74, 1998.

BRUMMETT, Beverly H. et al. Characteristics of socially isolated patients with coronary artery disease who are at elevated risk for mortality. Psychosomatic Medicine, v. 63, n. 2, p. 267-272, 2001.

DE VOGLI, Roberto; CHANDOLA, Tarani; MARMOT, Michael Gideon. Negative aspects of close relationships and heart disease. Archives of Internal Medicine, v. 167, n. 18, p. 1951-1957, 2007.

DUMAN, Ronald S. Neurotrophic factors and regulation of mood: role of exercise, diet and metabolism. Neurobiology of Aging, v. 26, n. 1, p. 88-93, 2005.

EMERSON, Jessica A.; WILLIAMS, David M. The multifaceted relationship between physical activity and affect. Social and Personality Psychology Compass, v. 9, n. 8, p. 419-433, 2015.

EMMONS, Robert A. Personal goals, life meaning, and virtue: Wellsprings of a positive life. Flourishing: Positive psychology and the life well-lived, p. 105-128, 2003.

EVERSON-ROSE, Susan A.; LEWIS, Tené T. Psychosocial factors and cardiovascular diseases. Annu. Rev. Public Health, v. 26, p. 469-500, 2005.

GARDENER, Samantha L. et al. Dietary patterns and cognitive decline in an Australian study of ageing. Molecular psychiatry, v. 20, n. 7, p. 860-866, 2015.

HEADEY, Bruce. Life goals matter to happiness: A revision of set-point theory. Social indicators research, v. 86, n. 2, p. 213-231, 2008.

KASSER, Tim; RYAN, Richard M. Further examining the American dream: Differential correlates of intrinsic and extrinsic goals. Personality and social psychology bulletin, v. 22, n. 3, p. 280-287, 1996.

KAWACHI, Ichiro et al. A prospective study of anger and coronary heart disease. Circulation, v. 94, n. 9, p. 2090-2095, 1996.

KENG, Kau Ah et al. The influence of materialistic inclination on values, life satisfaction and aspirations: An empirical analysis. Social Indicators Research, v. 49, n. 3, p. 317-333, 2000.

KOENIG, Harold G.; AL ZABEN, Faten N. Private religious activity and cardiovascular risk. Annals of epidemiology, v. 23, n. 5, p. 246-247, 2013.

KOESTNER, Richard; BERNIERI, Frank; ZUCKERMAN, Miron. Self-regulation and consistency between attitudes, traits, and behaviors. Personality and Social Psychology Bulletin, v. 18, n. 1, p. 52-59, 1992.

KRANTZ, David S.; MANUCK, Stephen B. Acute psychophysiologic reactivity and risk of cardiovascular disease: a review and methodologic critique. Psychological bulletin, v. 96, n. 3, p. 435, 1984.

KUBZANSKY, Laura D.; KAWACHI, Ichiro. Going to the heart of the matter: do negative emotions cause coronary heart disease?. Journal of psychosomatic research, v. 48, n. 4, p. 323-337, 2000.

MARTIN, Luci A. et al. The ‘distressed’personality, coping and cardiovascular risk. Stress and Health, v. 27, n. 1, p. 64-72, 2011.

MILLER, Todd Q. et al. Meta-analytic review of research on hostility and physical health. Psychological bulletin, v. 119, n. 2, p. 322, 1996.

PETER, R.; SIEGRIST, J. Psychosocial work environment and the risk of coronary heart disease. International Archives of Occupational and Environmental Health, v. 73, n. 1, p. S41-S45, 2000.

SÁNCHEZ-VILLEGAS, Almudena et al. Fast-food and commercial baked goods consumption and the risk of depression. Public health nutrition, v. 15, n. 03, p. 424-432, 2012.

GURUNG, R.; SARASON, B.; SARASON, I. Close personal relationships and health outcomes: A key to the role of social support. Handbook of personal relationships: Theory, research and interventions, p. 547-573, 1997.

SEEMAN, Teresa E.; BERKMAN, Lisa F. Structural characteristics of social networks and their relationship with social support in the elderly: who provides support. Social science & medicine, v. 26, n. 7, p. 737-749, 1988.

SIEGRIST, Johannes. Adverse health effects of effort-reward imbalance at work. Theories of organizational stress, p. 190-204, 1998.

SLOAN, Richard P. et al. Cardiac autonomic control and hostility in healthy subjects. The American journal of cardiology, v. 74, n. 3, p. 298-300, 1994.

SOMMER, Iris E.; KAHN, René S. The magic of movement; the potential of exercise to improve cognition. 2015.

STRASSER, Barbara; GOSTNER, Johanna M.; FUCHS, Dietmar. Mood, food, and cognition: role of tryptophan and serotonin. Current Opinion in Clinical Nutrition & Metabolic Care, v. 19, n. 1, p. 55-61, 2016.

TEXAS HEART INSTITUTE. Heart Disease Ris factores. Disponível em: <http://www.texasheart.org/HIC/Topics/HSmart/riskfact.cfm> Acesso em 19 de jan. 2017.

UCHINO, Bert N.; CACIOPPO, John T.; KIECOLT-GLASER, Janice K. The relationship between social support and physiological processes: a review with emphasis on underlying mechanisms and implications for health. Psychological bulletin, v. 119, n. 3, p. 488, 1996.

WHOOLEY, Mary A.; WONG, Jonathan M. Depression and cardiovascular disorders. Annual review of clinical psychology, v. 9, p. 327-354, 2013.

WORTHINGTON, Everett L.; SCHERER, Michael. Forgiveness is an emotion-focused coping strategy that can reduce health risks and promote health resilience: Theory, review, and hypotheses. Psychology & Health, v. 19, n. 3, p. 385-405, 2004.

PSYCHOLOGY TODAY. Serotonin: What It is and Why It’s Important for Weight Loss – Serotonin is nature’s own appetitie suppressant. Disponível em: <https://www.psychologytoday.com/blog/the-antidepressant-diet/201008/serotonin-what-it-is-and-why-its-important-weight-loss> Acesso em 19 de jan. 2017.

 

Time formado por redatores com pós graduação e/ou doutorado nas áreas de saúde, dieta, suplementação e/ou treino, além de convidados especialistas em suas áreas.

2 comments on Felicidade é essencial para manter o corpo saudável

Comments are closed.

Felicidade é essencial para manter o corpo saudável

A felicidade é algo constantemente buscado por todos nós. Além de estar profundamente relacionada ao nosso bem estar psíquico, é também um fator fundamental para a saúde do corpo. Veja o que podemos fazer para levar uma vida mais feliz, com menos estresse e menos riscos para a saúde do corpo.

O que pode contribuir para a saúde e a felicidade?

Manter uma alimentação saudável, acompanhada de uma rotina de exercícios, são fatores essenciais para manter o coração saudável. Boa parte das principais causas de doenças cardíacas, como a hipertensão, colesterol alto, diabetes, obesidade e inatividade física, podem ser prevenidas através da boa alimentaçãoprática de exercícios.

A American Heart Association (organização americana sem fins lucrativos que presta cuidados cardíacos) oferece um guia com foco na dieta saudável para o coração. O guia recomenda pelo menos 2 horas e meia de atividade física moderada por semana.

Além de prevenir doenças cardíacas, as pesquisas mostraram que consumir determinados alimentos, acompanhados por exercícios regulares, resulta em mais felicidade para as pessoas.

A relação entre a alimentação e o humor

Um estudo realizado com mais de 12.000 pessoas revelou que, aquelas que consumiram uma quantidade maior de alimentos processados (​​como batatas fritas, frango frito, biscoitos e bolos), apresentaram 37% a mais de chance de se tornarem depressivas do que as que evitaram alimentos calóricos e de baixa qualidade nutritiva.

As dietas mediterrâneas, baseadas no consumo de alimentos frescos, mostraram uma diminuição na taxa de declínio neuropsicológico em pessoas de idade mais avançada. Além disso, a prática de exercícios pode potencializar ainda mais os benefícios cognitivos e relativos ao humor.

A curto prazo, uma boa série de exercícios  pode melhorar o humor por cerca de 4 horas, trazendo a sensação de felicidade. Por outro lado, exercícios regulares a longo prazo tem o potencial de melhorar o humor e também a autoestima.

Além disso, auxilia no retardamento da progressão de doenças cerebrais, como o Alzheimer, Parkinson, Huntington, Depressão e TDAH, pois promovem a criação de neurônios.

LEIA TAMBÉM: Estudos comprovam: Ter um cão faz bem à saúde

Bons relacionamentos ajudam na saúde do coração

Relacionamentos com base no apoio emocional, caracterizadas pelo cuidado, afinidade e compreensão, podem trazer felicidade e ajudar a manter o coração saudável. Isso porque o grau em que você se sente amado em seus relacionamentos diminui o risco de desenvolver aterosclerose (endurecimento das artérias), desacelerando a velocidade em que ela avança.

A pesquisa também mostrou que as relações negativas próximas aumentam o risco de desenvolver uma doença arterial coronariana, mais do que as positivas podem proteger contra essa doença.

As interações negativas apresentam altos riscos para a depressão, a baixa autoestima e a raiva, que conduzem ao aumento do estresse e respostas inflamatórias, que danificam os órgãos.

LEIA TAMBÉM: Como se desestressar: 18 dicas para uma vida mais saudável

Como se relacionar de maneira saudável?

É importante que você se sinta valorizado, buscando relacionamentos de apoio que tragam o sentimento de felicidade. Os relacionamentos negativos devem ser avaliados, mesmo que isso signifique repará-los, distanciar-se ou pedir ajuda externa. É preciso também reconhecer que os relacionamentos são uma via de mão dupla.

Um estudo com pessoas acima de 70 anos de idade mostrou que atividades simples, como ajudar em pequenas tarefas para sentir-se útil, ajudam na longevidade e estimulam a felicidade.

Cuidado com o estresse no ambiente de trabalho

Felicidade no ambiente de trabalho

A falta de qualidade de vida no trabalho pode trazer muito estresse e prejudicar ao coração. É provável que talvez você tenha poucas perspectivas no trabalho ou falte o apoio dos colegas. Ou então você talvez receba um salário injusto e sinta falta de ser reconhecido.

Todos esses motivos afetam sua felicidade e estão associados a fatores de risco para o surgimento de doenças do coração, como o aumento dos níveis de colesterol LDL e hipertensão.

Um estudo realizado em mais de 10.000 pessoas mostrou que um esforço insensato de longa duração (5 anos) em busca de recompensa no trabalho, dobrou o risco de desenvolver  uma doença cardíaca.

Como evitar o estresse no trabalho?

Entre as mudanças eficazes para ajudar o seu coração, está abrir mão de se envolver no trabalho de forma excessiva. Além dessa atitude prejudicar sua felicidade, pode estar apenas  revelando uma grande necessidade de controle da sua parte.

Talvez você tenha dúvidas de como se desestressar. Você poderá, por exemplo, realizar o relaxamento muscular progressivo de forma regular, ouvir sua música favorita e monitorar as emoções que possam ser nocivas.

Ao invés de se afogar no estresse, essa energia pode ser usada para lembrar a si mesmo que você sempre pode mudar a sua perspectiva e passar a sentir mais felicidade.

Você pode também incentivar conversas com seus colegas sobre mudanças estruturais em sua empresa. Há ainda a possibilidade de se aprimorar em outras habilidades que possam te levar a um trabalho mais gratificante. Lidar com táticas de resolução de problemas protegerá o seu coração dos danos do estresse.

Sintonize seus sentimentos

Pesquisas mostram que ajustar as emoções de forma autoconsciente e se manter otimista, constituem em chaves para a felicidade e para um coração saudável.

É provável que você já sentiu seu pulso acelerar num momento em que se encontrava na defensiva, com medo ou com raiva. Isso ocorre porque a hostilidade, ansiedade e raiva são emoções altamente opressivas, que aumentam a resposta ao estresse do corpo.

Como resultado, o corpo pode perder o controle na frequência cardíaca e iniciar processos que criam coágulos de sangue, elevando à pressão arterial. Isso contribui para um aumento do risco de um ataque cardíaco.

A boa notícia é que o apoio social mostra-se eficaz para diminuir os riscos de desenvolver essas doenças, mesmo para o tipo A (‘hostil’) e Tipo D (‘aflito’), pessoas que tendem a reagir com respostas opressivas.

Outra emoção negativa, a depressão, também atua como um forte fator de risco para doenças cardíacas, mas também pode ser transformada com o envolvimento social.

Proteja-se de situações estressantes

Antes de enfrentar situações estressantes, é fundamental que você tenha meios programados para se proteger. Buscar aconselhamento ou outros relacionamentos, além de realizar atividades edificantes que estimulem o sentimento de felicidade, ajudam a eliminar respostas emocionais não-saudáveis.

Além disso, você deve incentivar a resolução de problemas de forma prática, o que impulsionará de maneira saudável o seu otimismo.

Pesquisas têm relacionado os altos níveis de otimismo com níveis mais baixos de pressão arterial e níveis mais elevados de circulação das células imunes. Essas células ajudam o corpo a se defender contra o estresse.

A tendência ao perdão também é um fator que afeta positivamente a saúde fisiológica. Lidar com os sentimentos é um dos recursos usados pela American Heart Association para prevenir riscos à saúde em pacientes cardíacos.

Crie metas de vida significativas

A busca da felicidade com meditação

Diminuir o excesso de compromissos no trabalho pode proteger a saúde do seu coração. As metas de sucesso focadas em fatores externos (como comprar coisas, impressionar ou controlar pessoas, ter sucesso no trabalho), se relacionam negativamente com a satisfação e a sensação de felicidade.

Como resultado da pesquisa, focar em objetivos materiais traz uma série de fatores de risco de doenças cardíacas, como a depressão, ansiedade, baixo nível de contentamento com a vida, sono interrompido e distúrbios emocionais.

Em contrapartida, a saúde está mais presente em pessoas com objetivos focados em fatores internos, como relações interpessoais profundas, construídas com base na confiança e afeto. A generosidade também se mostrou um fator muito positivo, como doar-se aos outros e se importar com as gerações futuras.

Essas atividades, em conjunto com a oração, meditação (como a meditação mindfulness) e leitura de textos espirituais, têm se mostrado como fatores que auxiliam na manutenção da saúde. Isso ocorre especialmente quando os indivíduos se sentem úteis e são capazes de se ajustar às mudanças e à adversidade.

A felicidade está relaciona à sua atitude

Estudos sobre o sistema cardiovascular revelaram que as pessoas que praticam a autorreflexão e que possuem objetivos de vida intrínsecos apresentam menor risco de desenvolver doenças cardíacas.

Os benefícios potenciais para a saúde embasada numa vida com bons relacionamentos e a prática da generosidade são muitos. A lista inclui fumar menos, pressão arterial e colesterol mais baixo, mais atividade física, menos abuso de álcool, melhor alimentação, menor estresse, maior apoio social, menos hostilidade e ansiedade, mais otimismo e esperança, além de maior bem-estar geral, que proporciona a sensação de felicidade.

Para receber artigos semelhantes a esse sobre a relação da felicidade e a saúde, além de outros temas, cadastre o seu e-mail de graça em nossa Newsletter!

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

AMERICAN HEART ASOCIATION . Coping whut Feelings. Disponível em: <http://www.heart.org/HEARTORG/Conditions/More/CardiacRehab/Coping-with-Feelings_UCM_307092_Article.jsp%20-%20.VrUmL5MrLVp> Acesso em 19 de jan. 2017.

AMERICAN HEART ASOCIATION. The American Heart Association’s Diet and Lifestyle Recommendations. Disponível em: <http://www.heart.org/HEARTORG/HealthyLiving/HealthyEating/Nutrition/The-American-Heart-Associations-Diet-and-Lifestyle-Recommendations_UCM_305855_Article.jsp#.WIEHQ9IrLcs> Acesso em 19 de jan. 2017.

ANO, Gene G.; VASCONCELLES, Erin B. Religious coping and psychological adjustment to stress: A meta‐analysis. Journal of clinical psychology, v. 61, n. 4, p. 461-480, 2005.

BENNETT, Kellie S.; SHEPHERD, Julie M. Depression in Australian women: The varied roles of spirituality and social support. Journal of health psychology, v. 18, n. 3, p. 429-438, 2013.

BOSMA, Hans et al. Two alternative job stress models and the risk of coronary heart disease. American journal of public health, v. 88, n. 1, p. 68-74, 1998.

BRUMMETT, Beverly H. et al. Characteristics of socially isolated patients with coronary artery disease who are at elevated risk for mortality. Psychosomatic Medicine, v. 63, n. 2, p. 267-272, 2001.

DE VOGLI, Roberto; CHANDOLA, Tarani; MARMOT, Michael Gideon. Negative aspects of close relationships and heart disease. Archives of Internal Medicine, v. 167, n. 18, p. 1951-1957, 2007.

DUMAN, Ronald S. Neurotrophic factors and regulation of mood: role of exercise, diet and metabolism. Neurobiology of Aging, v. 26, n. 1, p. 88-93, 2005.

EMERSON, Jessica A.; WILLIAMS, David M. The multifaceted relationship between physical activity and affect. Social and Personality Psychology Compass, v. 9, n. 8, p. 419-433, 2015.

EMMONS, Robert A. Personal goals, life meaning, and virtue: Wellsprings of a positive life. Flourishing: Positive psychology and the life well-lived, p. 105-128, 2003.

EVERSON-ROSE, Susan A.; LEWIS, Tené T. Psychosocial factors and cardiovascular diseases. Annu. Rev. Public Health, v. 26, p. 469-500, 2005.

GARDENER, Samantha L. et al. Dietary patterns and cognitive decline in an Australian study of ageing. Molecular psychiatry, v. 20, n. 7, p. 860-866, 2015.

HEADEY, Bruce. Life goals matter to happiness: A revision of set-point theory. Social indicators research, v. 86, n. 2, p. 213-231, 2008.

KASSER, Tim; RYAN, Richard M. Further examining the American dream: Differential correlates of intrinsic and extrinsic goals. Personality and social psychology bulletin, v. 22, n. 3, p. 280-287, 1996.

KAWACHI, Ichiro et al. A prospective study of anger and coronary heart disease. Circulation, v. 94, n. 9, p. 2090-2095, 1996.

KENG, Kau Ah et al. The influence of materialistic inclination on values, life satisfaction and aspirations: An empirical analysis. Social Indicators Research, v. 49, n. 3, p. 317-333, 2000.

KOENIG, Harold G.; AL ZABEN, Faten N. Private religious activity and cardiovascular risk. Annals of epidemiology, v. 23, n. 5, p. 246-247, 2013.

KOESTNER, Richard; BERNIERI, Frank; ZUCKERMAN, Miron. Self-regulation and consistency between attitudes, traits, and behaviors. Personality and Social Psychology Bulletin, v. 18, n. 1, p. 52-59, 1992.

KRANTZ, David S.; MANUCK, Stephen B. Acute psychophysiologic reactivity and risk of cardiovascular disease: a review and methodologic critique. Psychological bulletin, v. 96, n. 3, p. 435, 1984.

KUBZANSKY, Laura D.; KAWACHI, Ichiro. Going to the heart of the matter: do negative emotions cause coronary heart disease?. Journal of psychosomatic research, v. 48, n. 4, p. 323-337, 2000.

MARTIN, Luci A. et al. The ‘distressed’personality, coping and cardiovascular risk. Stress and Health, v. 27, n. 1, p. 64-72, 2011.

MILLER, Todd Q. et al. Meta-analytic review of research on hostility and physical health. Psychological bulletin, v. 119, n. 2, p. 322, 1996.

PETER, R.; SIEGRIST, J. Psychosocial work environment and the risk of coronary heart disease. International Archives of Occupational and Environmental Health, v. 73, n. 1, p. S41-S45, 2000.

SÁNCHEZ-VILLEGAS, Almudena et al. Fast-food and commercial baked goods consumption and the risk of depression. Public health nutrition, v. 15, n. 03, p. 424-432, 2012.

GURUNG, R.; SARASON, B.; SARASON, I. Close personal relationships and health outcomes: A key to the role of social support. Handbook of personal relationships: Theory, research and interventions, p. 547-573, 1997.

SEEMAN, Teresa E.; BERKMAN, Lisa F. Structural characteristics of social networks and their relationship with social support in the elderly: who provides support. Social science & medicine, v. 26, n. 7, p. 737-749, 1988.

SIEGRIST, Johannes. Adverse health effects of effort-reward imbalance at work. Theories of organizational stress, p. 190-204, 1998.

SLOAN, Richard P. et al. Cardiac autonomic control and hostility in healthy subjects. The American journal of cardiology, v. 74, n. 3, p. 298-300, 1994.

SOMMER, Iris E.; KAHN, René S. The magic of movement; the potential of exercise to improve cognition. 2015.

STRASSER, Barbara; GOSTNER, Johanna M.; FUCHS, Dietmar. Mood, food, and cognition: role of tryptophan and serotonin. Current Opinion in Clinical Nutrition & Metabolic Care, v. 19, n. 1, p. 55-61, 2016.

TEXAS HEART INSTITUTE. Heart Disease Ris factores. Disponível em: <http://www.texasheart.org/HIC/Topics/HSmart/riskfact.cfm> Acesso em 19 de jan. 2017.

UCHINO, Bert N.; CACIOPPO, John T.; KIECOLT-GLASER, Janice K. The relationship between social support and physiological processes: a review with emphasis on underlying mechanisms and implications for health. Psychological bulletin, v. 119, n. 3, p. 488, 1996.

WHOOLEY, Mary A.; WONG, Jonathan M. Depression and cardiovascular disorders. Annual review of clinical psychology, v. 9, p. 327-354, 2013.

WORTHINGTON, Everett L.; SCHERER, Michael. Forgiveness is an emotion-focused coping strategy that can reduce health risks and promote health resilience: Theory, review, and hypotheses. Psychology & Health, v. 19, n. 3, p. 385-405, 2004.

PSYCHOLOGY TODAY. Serotonin: What It is and Why It’s Important for Weight Loss – Serotonin is nature’s own appetitie suppressant. Disponível em: <https://www.psychologytoday.com/blog/the-antidepressant-diet/201008/serotonin-what-it-is-and-why-its-important-weight-loss> Acesso em 19 de jan. 2017.

 

Assine a Revista Labdoor

Scroll to top