As consequências de não dormir bem

Dormir bem não é apenas questão de conforto, pesquisadores descobriram que o risco de morte precoce para pessoas que dormem menos do que o ideal é maior do que imaginamos.Não é à toa que existem tantas canções de ninar. Afinal dormir, e principalmente, dormir bem, é essencial para manter a saúde. E não só durante a infância, mas pela vida toda.

Ao dormir, conquistamos benefícios sem fazer esforço. Durante o sono nosso corpo tira férias, mas nosso organismo continua trabalhando. Isso quer dizer que muitas funções fisiológicas estão em um ritmo mais lento, mas nesse período o organismo restabelece o nível adequado de várias substâncias importantes para o bem-estar, além de fazer a memória e o aprendizado ficarem em dia.

Dormir bem significa passar por todas as fases do sono, desde o relaxamento inicial até a etapa mais profunda. Infelizmente muitas pessoas ainda não tem uma boa qualidade de sono por apresentarem distúrbios, como parada temporária da respiração (apneia), insônia, sonambulismo, bruxismo e outros. Quem sofre desses males precisa aprender como dormir rápido, pois dormir mal afeta a qualidade de vida.

Mesmo quando nenhum distúrbio é diagnosticado, muitas vezes a gente deixa de ter, voluntariamente ou não, uma boa noite de sono. Portanto é preciso tomar uma atitude, do contrário estaremos sujeitos aos riscos de não dormir bem, algo que a ciência vem estudando há muito tempo.

Desde 1896, quando saiu o primeiro estudo sobre os efeitos da privação do sono sobre a saúde física e mental das pessoas, os cientistas tem se preocupado com o assunto. Hoje já existem evidências de que não dormir bem pode levar a um ganho de peso, aumento da vulnerabilidade a acidentes e da chance de desenvolver hipertensão e diabetes, além da diminuição da memória e da imunidade.

Além disso, segundo o Instituto do Sono, não dormir bem está associado a problemas de disfunção erétil, especialmente depois dos 50 anos. Portanto, dormir bem é importante para uma longevidade tranquila e saudável.

Uma pergunta que provocou polêmica entre os pesquisadores é se o fato de não dormir bem faz com que os adultos vivam menos. Para comprovar essa hipótese de forma confiável, os pesquisadores precisaram reunir o maior número possível de estudos que abordam a questão.

A equipe que se propôs a fazer isso buscou artigos científicos que abordavam a relação entre dormir pouco e a mortalidade. Depois a equipe fez uma seleção dos artigos de acordo com critérios que ela mesma estabeleceu, por exemplo, estudos que incluíam adultos de ambos os sexos.

Os pesquisadores encontraram 23 trabalhos realizados em países de quatro continentes. Através de uma análise detalhada dos artigos, a equipe encontrou o seguinte resultado: pessoas que dormem em média menos de sete horas por noite apresentam risco de mortalidade mais elevado do que o das que dormem cerca de oito horas (Gallicchio & Kalesan, 2009).

Esses pesquisadores descobriram também que o risco de morte precoce para alguém que dorme menos do que o ideal é um pouco maior do que o risco de morte por problemas associados ao sobrepeso, tabagismo ou sedentarismo.

Isso nos dá uma referência da importância de dormir bem para a saúde do ser humano. Algo que ainda é muito negligenciado nos dias corridos como os de hoje. Muitos até se preocupam em perder peso, ter hábitos saudáveis e praticar exercícios, mas não veem uma boa noite de sono como um aliado à saúde.

E você, já dorme o suficiente? Compartilhe esse artigo com seus amigos que dormem pouco! Ou pode mandar também para aqueles que dormem demais 🙂 !

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

GALLICCHIO, Lisa; KALESAN, Bindu. Sleep duration and mortality: a systematic review and meta‐analysis. Journal of Sleep Research, v. 18, n. 2, p. 148-158, 2009.  DOI: 10.1111/j.1365-2869.2008.00732.x  http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1111/j.1365-2869.2008.00732.x/full

Time formado por redatores com pós graduação e/ou doutorado nas áreas de saúde, dieta, suplementação e/ou treino, além de convidados especialistas em suas áreas.

As consequências de não dormir bem

Dormir bem não é apenas questão de conforto, pesquisadores descobriram que o risco de morte precoce para pessoas que dormem menos do que o ideal é maior do que imaginamos.Não é à toa que existem tantas canções de ninar. Afinal dormir, e principalmente, dormir bem, é essencial para manter a saúde. E não só durante a infância, mas pela vida toda.

Ao dormir, conquistamos benefícios sem fazer esforço. Durante o sono nosso corpo tira férias, mas nosso organismo continua trabalhando. Isso quer dizer que muitas funções fisiológicas estão em um ritmo mais lento, mas nesse período o organismo restabelece o nível adequado de várias substâncias importantes para o bem-estar, além de fazer a memória e o aprendizado ficarem em dia.

Dormir bem significa passar por todas as fases do sono, desde o relaxamento inicial até a etapa mais profunda. Infelizmente muitas pessoas ainda não tem uma boa qualidade de sono por apresentarem distúrbios, como parada temporária da respiração (apneia), insônia, sonambulismo, bruxismo e outros. Quem sofre desses males precisa aprender como dormir rápido, pois dormir mal afeta a qualidade de vida.

Mesmo quando nenhum distúrbio é diagnosticado, muitas vezes a gente deixa de ter, voluntariamente ou não, uma boa noite de sono. Portanto é preciso tomar uma atitude, do contrário estaremos sujeitos aos riscos de não dormir bem, algo que a ciência vem estudando há muito tempo.

Desde 1896, quando saiu o primeiro estudo sobre os efeitos da privação do sono sobre a saúde física e mental das pessoas, os cientistas tem se preocupado com o assunto. Hoje já existem evidências de que não dormir bem pode levar a um ganho de peso, aumento da vulnerabilidade a acidentes e da chance de desenvolver hipertensão e diabetes, além da diminuição da memória e da imunidade.

Além disso, segundo o Instituto do Sono, não dormir bem está associado a problemas de disfunção erétil, especialmente depois dos 50 anos. Portanto, dormir bem é importante para uma longevidade tranquila e saudável.

Uma pergunta que provocou polêmica entre os pesquisadores é se o fato de não dormir bem faz com que os adultos vivam menos. Para comprovar essa hipótese de forma confiável, os pesquisadores precisaram reunir o maior número possível de estudos que abordam a questão.

A equipe que se propôs a fazer isso buscou artigos científicos que abordavam a relação entre dormir pouco e a mortalidade. Depois a equipe fez uma seleção dos artigos de acordo com critérios que ela mesma estabeleceu, por exemplo, estudos que incluíam adultos de ambos os sexos.

Os pesquisadores encontraram 23 trabalhos realizados em países de quatro continentes. Através de uma análise detalhada dos artigos, a equipe encontrou o seguinte resultado: pessoas que dormem em média menos de sete horas por noite apresentam risco de mortalidade mais elevado do que o das que dormem cerca de oito horas (Gallicchio & Kalesan, 2009).

Esses pesquisadores descobriram também que o risco de morte precoce para alguém que dorme menos do que o ideal é um pouco maior do que o risco de morte por problemas associados ao sobrepeso, tabagismo ou sedentarismo.

Isso nos dá uma referência da importância de dormir bem para a saúde do ser humano. Algo que ainda é muito negligenciado nos dias corridos como os de hoje. Muitos até se preocupam em perder peso, ter hábitos saudáveis e praticar exercícios, mas não veem uma boa noite de sono como um aliado à saúde.

E você, já dorme o suficiente? Compartilhe esse artigo com seus amigos que dormem pouco! Ou pode mandar também para aqueles que dormem demais 🙂 !

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

GALLICCHIO, Lisa; KALESAN, Bindu. Sleep duration and mortality: a systematic review and meta‐analysis. Journal of Sleep Research, v. 18, n. 2, p. 148-158, 2009.  DOI: 10.1111/j.1365-2869.2008.00732.x  http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1111/j.1365-2869.2008.00732.x/full

Assine a Revista Labdoor

Scroll to top