Gordura marrom pode contribuir para a perda de peso?

Os benefícios da gordura marrom são amplamente pesquisados atualmente, devido à sua relação com a queima de gordura. Pode parecer controvérsia a ideia de uma gordura ajudar na perda de peso, mas estudos comprovam a sua eficácia. Entenda como isso é possível no artigo a seguir.

Quais as diferenças entre a gordura branca e a marrom?

Estudos comprovam que o aumento de certos tipos de gordura pode ajudar na queima de gordura. O corpo armazena dois tipos delas, a gordura branca e marrom, que são identificadas visualmente apenas pela cor. Bioquimicamente, porém, são identificadas por um  complexo ecossistema de maquinaria metabólica, apresentando grande importância para a saúde geral.

Elas geralmente são caracterizadas por seus efeitos sobre o armazenamento de gordura do corpo, em grande parte porque são extremamente diferentes. A gordura branca funciona apenas como uma reserva de energia, acumulando excesso de calorias, até que elas sejam necessárias para completar as funções corporais básicas.

Por outro lado, foi constatado que a gordura marrom melhora a atividade metabólica do corpo, ajudando a queimar gordura, ao invés de acumulá-la. Além disso, revelou maior capacidade de usar a gordura para gerar calor.

Saber que se pode contar com uma ajuda do próprio corpo para perder gordura corporal é uma ótima notícia para quem está em uma dieta para emagrecer.

A gordura marrom é encontrada em adultos?

Os bebês não conseguem tremer para gerar calor e, por esse motivo, usam maiores quantidades de gordura marrom para regular sua temperatura interna.

Por um longo tempo, acreditava-se que essa gordura desaparecia com a idade. Desse modo, os adultos não teriam acesso ao mesmo mecanismo de regulação da temperatura que os bebês.

Porém, pesquisas recentes sugerem o contrário. Depósitos de gordura marrom foram encontrados em adultos (embora em menor quantidade), sendo também ativadas por temperaturas mais frias.

Elas são encontradas na mesma quantidade no corpo?

A gordura marrom é encontrada em quantidade bem menor que a branca e, em geral, é ordenada em diferentes lóbulos e em lugares específicos no corpo (ao longo dos vasos sanguíneos do pescoço, ao redor dos rins e das glândulas adrenais próximas, por exemplo).

Ao contrário da gordura branca, estes glóbulos são conhecidos por terem uma rica variedade de vasos sanguíneos. Além disso, são bastante ocupados pelos nervos do sistema nervoso simpático (parte do sistema nervoso responsável pela manutenção da homeostase metabólica).

Como uma gordura pode queimar calorias?

Foi descoberto que a gordura marrom contém um grande número de mitocôndrias (as células de produção de energia). Um tecido denso de mitocôndria tende a queimar as calorias não usadas para gerar calor, processo chamado termogênese.

A gordura marrom é conhecida por essa cor por conter um elevado número de moléculas chamadas citocromos. Elas desempenham um papel essencial na fosforilação oxidativa, fase do metabolismo responsável pela geração de energia celular.

Os triacilgliceróis (as mesmas moléculas de gorduras que constituem a gordura branca), são usados, em último caso, como combustível para produzir calor.

Esse efeito é mediado pela liberação de noradrenalina, o hormônio que regula a temperatura corporal. Os vasos sanguíneos dirigem os nutrientes necessários para as mitocôndrias funcionais, bem como as moléculas de gordura necessárias para o metabolismo. Em seguida, os nervos libertam a noradrenalina necessária para acelerar a atividade metabólica da gordura marrom.

Estudos realizados a baixas temperaturas

Em um estudo realizado em 2012, um grupo de 6 homens permaneceram inativos durante três horas, enquanto usavam um terno circulando água a 18°C. Esse frio é suficiente para baixar a temperatura corporal, mas não para causar tremores excessivos. Esse processo termogênico leva à perda de calorias. Desta forma, a perda de calorias poderia ser atribuída principalmente à ativação da gordura marrom e menos ao fato de tremer.

Os pesquisadores concluíram que os voluntários que usavam os trajes de água fria perderam 250 calorias a mais, comparado com o que perderiam inativos em temperaturas normais.

Outro estudo realizado em animais, no ano de 2011, concluiu que, como a gordura marrom se alimenta de triglicerídeos, o risco de desenvolver síndrome metabólica, doenças cardíacas, derrames e diabetes é significativamente reduzido.

Nosso corpo pode aumentar a produção dessa gordura?

Ainda não há a certeza se somos capazes de aumentar a quantidade de gordura marrom no corpo. Há pesquisas que buscam fazer com que a gordura preliminar do corpo (ou seja, a gordura branca) se comporte como a marrom. O resultado foi algo apropriadamente chamado de “gordura bege“.

Um estudo recente pediu para que 12 homens (que apresentavam níveis mais baixos do que a média de gordura marrom), se sentassem em uma sala com a temperatura de 17°C, por 2 horas, durante 6 semanas.

Os pesquisadores descobriram que, no início, os participantes queimaram uma média de 108 calorias extra, comparado com circunstâncias semelhantes em temperaturas internas normais. Após seis semanas, os corpos foram capazes de queimar 289 calorias extras.

Os resultados indicaram um aumento na presença de gordura marrom. Exames de imagem realizados confirmaram também um aumento na gordura bege.

Resultados das pesquisas com o hormônio irisina

Dois estudos distintos confirmaram que um hormônio chamado irisina, produzido em células musculares após a atividade física, é capaz de fazer a gordura branca se portar como a marrom.

Animais que produziam irisina em excesso e apresentavam obesidade e altos níveis de açúcar no sangue, perderam peso significativo. Além disso, retomaram seu açúcar no sangue a níveis normais em apenas 10 dias.

Em um nível genético, tanto as temperaturas frias como a prática de exercícios aumentaram a atividade de um gene chamado UCP1, que, acredita-se, seja responsável pela conversão da gordura branca na gordura marrom.

Outras substâncias naturais para induzir o escurecimento, o fator neurotrófico derivado do cérebro e o SIRT1 (que pode ajudar a regular o estresse), atualmente estão sendo estudados como potenciais agentes estimuladores.

A gordura bege é mais eficiente para eliminar o excesso de gordura?

Enquanto a gordura bege é um meio promissor de aumentar o metabolismo e evitar o excesso de gordura, talvez não seja o mais eficiente. Acredita-se que a gordura marrom em si é capaz de queimar pelo menos 5 vezes mais a energia armazenada do que a gordura bege.

Pesquisadores identificaram que a forma mais promissora para manter a saúde metabólica pode ser armazenar a gordura marrom ativa na idade adulta, da mesma forma que são durante a infância. Isso seria mais eficaz do que recriá-la completamente.

Deseja saber mais sobre a ação dessa e de outras gorduras no corpo? Cadastre o seu e-mail agora e assine de graça a nossa Newsletter !

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

SCIENCE DAILY. New Clue Helps Explain How Brown Fat Burns Energy. Disponível em:  <https://www.sciencedaily.com/releases/2014/07/140703125207.htm>.  Acesso em: 13 de jan 2017.

BIOCHEMICAL JOURNAL. Brown adipose tissue: development, metabolism and beyond. Disponível em: <http://www.biochemj.org/content/453/2/167>. Acesso em: 13 de jan. 2017.

SCIENTIFIC AMERICAN. Supercharging Brown Fat to Battle Obesity. Disponível em: <https://www.scientificamerican.com/article/supercharging-brown-fat-to-battle-obesity/>. Acesso em: 13 de jan 2017.

Time formado por redatores com pós graduação e/ou doutorado nas áreas de saúde, dieta, suplementação e/ou treino, além de convidados especialistas em suas áreas.

One comment on Gordura marrom pode contribuir para a perda de peso?

Comments are closed.

Gordura marrom pode contribuir para a perda de peso?

Os benefícios da gordura marrom são amplamente pesquisados atualmente, devido à sua relação com a queima de gordura. Pode parecer controvérsia a ideia de uma gordura ajudar na perda de peso, mas estudos comprovam a sua eficácia. Entenda como isso é possível no artigo a seguir.

Quais as diferenças entre a gordura branca e a marrom?

Estudos comprovam que o aumento de certos tipos de gordura pode ajudar na queima de gordura. O corpo armazena dois tipos delas, a gordura branca e marrom, que são identificadas visualmente apenas pela cor. Bioquimicamente, porém, são identificadas por um  complexo ecossistema de maquinaria metabólica, apresentando grande importância para a saúde geral.

Elas geralmente são caracterizadas por seus efeitos sobre o armazenamento de gordura do corpo, em grande parte porque são extremamente diferentes. A gordura branca funciona apenas como uma reserva de energia, acumulando excesso de calorias, até que elas sejam necessárias para completar as funções corporais básicas.

Por outro lado, foi constatado que a gordura marrom melhora a atividade metabólica do corpo, ajudando a queimar gordura, ao invés de acumulá-la. Além disso, revelou maior capacidade de usar a gordura para gerar calor.

Saber que se pode contar com uma ajuda do próprio corpo para perder gordura corporal é uma ótima notícia para quem está em uma dieta para emagrecer.

A gordura marrom é encontrada em adultos?

Os bebês não conseguem tremer para gerar calor e, por esse motivo, usam maiores quantidades de gordura marrom para regular sua temperatura interna.

Por um longo tempo, acreditava-se que essa gordura desaparecia com a idade. Desse modo, os adultos não teriam acesso ao mesmo mecanismo de regulação da temperatura que os bebês.

Porém, pesquisas recentes sugerem o contrário. Depósitos de gordura marrom foram encontrados em adultos (embora em menor quantidade), sendo também ativadas por temperaturas mais frias.

Elas são encontradas na mesma quantidade no corpo?

A gordura marrom é encontrada em quantidade bem menor que a branca e, em geral, é ordenada em diferentes lóbulos e em lugares específicos no corpo (ao longo dos vasos sanguíneos do pescoço, ao redor dos rins e das glândulas adrenais próximas, por exemplo).

Ao contrário da gordura branca, estes glóbulos são conhecidos por terem uma rica variedade de vasos sanguíneos. Além disso, são bastante ocupados pelos nervos do sistema nervoso simpático (parte do sistema nervoso responsável pela manutenção da homeostase metabólica).

Como uma gordura pode queimar calorias?

Foi descoberto que a gordura marrom contém um grande número de mitocôndrias (as células de produção de energia). Um tecido denso de mitocôndria tende a queimar as calorias não usadas para gerar calor, processo chamado termogênese.

A gordura marrom é conhecida por essa cor por conter um elevado número de moléculas chamadas citocromos. Elas desempenham um papel essencial na fosforilação oxidativa, fase do metabolismo responsável pela geração de energia celular.

Os triacilgliceróis (as mesmas moléculas de gorduras que constituem a gordura branca), são usados, em último caso, como combustível para produzir calor.

Esse efeito é mediado pela liberação de noradrenalina, o hormônio que regula a temperatura corporal. Os vasos sanguíneos dirigem os nutrientes necessários para as mitocôndrias funcionais, bem como as moléculas de gordura necessárias para o metabolismo. Em seguida, os nervos libertam a noradrenalina necessária para acelerar a atividade metabólica da gordura marrom.

Estudos realizados a baixas temperaturas

Em um estudo realizado em 2012, um grupo de 6 homens permaneceram inativos durante três horas, enquanto usavam um terno circulando água a 18°C. Esse frio é suficiente para baixar a temperatura corporal, mas não para causar tremores excessivos. Esse processo termogênico leva à perda de calorias. Desta forma, a perda de calorias poderia ser atribuída principalmente à ativação da gordura marrom e menos ao fato de tremer.

Os pesquisadores concluíram que os voluntários que usavam os trajes de água fria perderam 250 calorias a mais, comparado com o que perderiam inativos em temperaturas normais.

Outro estudo realizado em animais, no ano de 2011, concluiu que, como a gordura marrom se alimenta de triglicerídeos, o risco de desenvolver síndrome metabólica, doenças cardíacas, derrames e diabetes é significativamente reduzido.

Nosso corpo pode aumentar a produção dessa gordura?

Ainda não há a certeza se somos capazes de aumentar a quantidade de gordura marrom no corpo. Há pesquisas que buscam fazer com que a gordura preliminar do corpo (ou seja, a gordura branca) se comporte como a marrom. O resultado foi algo apropriadamente chamado de “gordura bege“.

Um estudo recente pediu para que 12 homens (que apresentavam níveis mais baixos do que a média de gordura marrom), se sentassem em uma sala com a temperatura de 17°C, por 2 horas, durante 6 semanas.

Os pesquisadores descobriram que, no início, os participantes queimaram uma média de 108 calorias extra, comparado com circunstâncias semelhantes em temperaturas internas normais. Após seis semanas, os corpos foram capazes de queimar 289 calorias extras.

Os resultados indicaram um aumento na presença de gordura marrom. Exames de imagem realizados confirmaram também um aumento na gordura bege.

Resultados das pesquisas com o hormônio irisina

Dois estudos distintos confirmaram que um hormônio chamado irisina, produzido em células musculares após a atividade física, é capaz de fazer a gordura branca se portar como a marrom.

Animais que produziam irisina em excesso e apresentavam obesidade e altos níveis de açúcar no sangue, perderam peso significativo. Além disso, retomaram seu açúcar no sangue a níveis normais em apenas 10 dias.

Em um nível genético, tanto as temperaturas frias como a prática de exercícios aumentaram a atividade de um gene chamado UCP1, que, acredita-se, seja responsável pela conversão da gordura branca na gordura marrom.

Outras substâncias naturais para induzir o escurecimento, o fator neurotrófico derivado do cérebro e o SIRT1 (que pode ajudar a regular o estresse), atualmente estão sendo estudados como potenciais agentes estimuladores.

A gordura bege é mais eficiente para eliminar o excesso de gordura?

Enquanto a gordura bege é um meio promissor de aumentar o metabolismo e evitar o excesso de gordura, talvez não seja o mais eficiente. Acredita-se que a gordura marrom em si é capaz de queimar pelo menos 5 vezes mais a energia armazenada do que a gordura bege.

Pesquisadores identificaram que a forma mais promissora para manter a saúde metabólica pode ser armazenar a gordura marrom ativa na idade adulta, da mesma forma que são durante a infância. Isso seria mais eficaz do que recriá-la completamente.

Deseja saber mais sobre a ação dessa e de outras gorduras no corpo? Cadastre o seu e-mail agora e assine de graça a nossa Newsletter !

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

SCIENCE DAILY. New Clue Helps Explain How Brown Fat Burns Energy. Disponível em:  <https://www.sciencedaily.com/releases/2014/07/140703125207.htm>.  Acesso em: 13 de jan 2017.

BIOCHEMICAL JOURNAL. Brown adipose tissue: development, metabolism and beyond. Disponível em: <http://www.biochemj.org/content/453/2/167>. Acesso em: 13 de jan. 2017.

SCIENTIFIC AMERICAN. Supercharging Brown Fat to Battle Obesity. Disponível em: <https://www.scientificamerican.com/article/supercharging-brown-fat-to-battle-obesity/>. Acesso em: 13 de jan 2017.

Assine a Revista Labdoor

Scroll to top